quarta-feira, 23 de abril de 2014

Luto Não Reconhecido - "A separação nas relações amorosas"

   
       
       No decorrer de nossas vidas, passamos por várias situações de separação que envolvem um processo de aceitação e de readaptação; o nascimento e a saída do ventre materno, quando deixamos de ganhar colo, a ida pela primeira vez à escola, o término do primeiro namoro, a saída de casa para estudar fora, trabalhar, para casar e constituir uma nova família, entre outras. Todas essas separações que ocorrem no ciclo vital são caracterizadas pela perda de algo. 
     Se a morte já é permeada por um tabu, quando nos deparamos com situações de perda por separação, somos levados a pensar o quanto em nosso contexto cultural o luto muitas vezes não é reconhecido tanto pela sociedade como pelos próprios enlutados. Conforme Ducati (2013), dentre as relações amorosas estão aquelas que também não são reconhecidas socialmente como a homossexualidade e os amantes (extra-conjugais), portanto, o luto nestas configurações de relacionamento também acabam por não serem validados.
    Segundo Ducati (2013, p. 76), a ruptura de um vínculo afetivo sempre traz sofrimento, seja ele hetero ou homossexual. A falta de apoio social provoca isolamento, dificulta a expressão dos sentimentos, não dá direito a dor, ao choro, ao luto. Outra questão apontada pela mesma autora é o quanto não tem direito ao luto, um homem que se separa de sua esposa para assumir sua escolha homossexual, que além da culpa por deixar a mulher e filhos, existe a culpa por assumir sua escolha. Da mesma forma ocorre na relação dos amantes, por serem relações que se dão as escondidas, são socialmente excluídas e, por sua vez também não lhe é dado o direito a dor e ao sofrimento.
   Em se tratando do casamento, seja ele formal ou não, nos deparamos com uma outra questão, onde existe sim a validação social da relação, porém, em sua ruptura  o luto experimentado e vivido não é reconhecido. Nos casos de separação e divórcio existe o rompimento de um vínculo, essa ruptura significa perda, toda perda pressupõe luto. O luto dos ideais, da familia sonhada, dos bens materiais, do status, de um nome (no caso da mulher), luto pela identidade perdida.
             Mesmo que na separação a morte não seja física e sim psíquica, conforme Ducati (2013, p. 82), os sentimentos evocados são semelhantes e podem ser traduzidos de três formas: sentimento de fracasso, de impotência e de finitude. Durante o processo de separação há um tempo psíquico que é muito pessoal, no qual cada um, entre esperanças e decepções, vai vivendo um luto antecipado.
              Reconhecer-se como enlutado, se permitir um processo de elaboração para que possa ocorrer a reorganização é fundamental. Neste momento algumas pessoas contam com o apoio da família, dos amigos, da espiritualidade, enfim, buscam de alguma forma expressar a dor e o sofrimento, caso contrário, a dor encerrada, sem nenhuma forma de expressão torna-se ressentimento.
É preciso ritualizar essa mudança, resignificar e possibilitar um lugar ao novo.

            
Fonte: DUCATI, D. P. O luto da separação nas relações amorosas: In: CASELLATO. G. (org). Dor silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. 2a ed. Niterói: PoloBooks, 2013.



Colaborou Patrícia dos Santos – Psicóloga do Serviço Social Boa Vida, Especialista em Gestão de Pessoas, Formação em Tanatologia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário