quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Como se comportar num velório (parte 1):

Muitas pessoas tem dúvidas do que falar e como agir ao ir num velório.
Vamos repassar em 3 momentos algumas dicas de especialistas.

Parte 1

                  

1 – Evite dizer: “Eu sei o que você está sentido”.

Não, você não sabe. Mesmo que tenha perdido a sua família inteira. Ninguém é modelo de nada e não é o momento de contar a sua história.
Segundo Dra.Maria Helena P. Franco coordenadora do LELU (Laboratório sobre o Luto) da PUC de São Paulo, “essa é uma das posturas que mais incomodam o enlutado”. O enlutado é o centro das atenções. Ouvi-lo é o melhor a fazer. Quem sofre precisa falar do morto enfatiza Dra.Maria Helena.

2- Não tente dar significado ao que aconteceu:

Afirmações como: “Poderia ser pior, ou: "Pelo menos ele não sofreu" são tentativas não fundáveis de criar um cenário cor-de-rosa. Lembre-se: sempre que pensar em iniciar uma frase com "pelo menos!" engula a frase.
Não cabe a você interpretar os fatos nem querer tirar alguma lição de moral para dar ao outro.

3- Não queira acabar com o sofrimento:

Segundo a escritora Lya Luft, no livro Perdas e Ganhos (ano 2003): “O luto é necessário, ou a dor ficará soterrada debaixo da futilidade, enterrando sua raiz ainda mais ao fundo, queimando as últimas reservas de vitalidade, e fechando todas as saídas”.
Quando perceber viável, troque a frase "Você deveria se divertir", e ofereça sua companhia à pessoa.




Fique atento que na semana que vem continuaremos com as dicas e mostraremos a parte 2 de "Como se comportar num velório".

Referências:

LUFT, L.Perdas e GanhosLuto e Renascimento. 1. ed. SARAIVA, 1990.

REVISTA DIRETOR FUNERÁRIO. São Paulo. Ano XVII N º 218, junho de 2014.

Colaborou Tássia Hostin - Assistente Social  - CRESS 4237
Coordenadora do Serviço Social Boa Vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário