terça-feira, 30 de setembro de 2014

Se eu soubesse...

Abaixo um texto para a reflexão .....


Se eu soubesse que seria a última vez
Que eu a veria adormecida,
Eu a apertaria mais estreitamente em meus braços
E pediria a Deus que guardasse sua alma.
Se eu soubesse que seria a última vez
Que a visse sair pela porta,
Eu a abraçaria e beijaria
E lhe pediria para repetir.
Se eu soubesse que seria a última vez
Escutaria sua voz erguer-se em elogios,
Gravaria em vídeo cada ação e palavra
Para escutá-la de novo, dia após dia.
Se eu soubesse que seria a última vez,
Sobraria um minuto
Para parar e dizer “Eu te amo”,
Em vez de supor que você soubesse o quanto te amo...
Se eu soubesse que seria a última vez,
Estaria presente para compartilhar o seu dia.
Mas, como tenho certeza de que haverá  muitos mais,
O que importa que passe mais este...
Porque seguramente sempre haverá um amanhã
Que compense minha falta de visão,
Pois sempre nos darão uma segunda oportunidade
Para que tudo se arrange perfeitamente.
Sempre haverá outro dia
Para dizer “Eu te amo”
E seguramente haverá outra oportunidade
Para dizer “Posso te ajudar?”
Mas no caso de estar enganado,
E que hoje fosse o último dia,
Gostaria de dizer-lhe o quanto te amo
E Deus queira que nunca nos esqueçamos disso.
Ninguém tem a vida garantida
Nem os jovens, nem os velhos,
E talvez hoje seja nossa última oportunidade
De abraçar com força quem amamos.
De modo que, se você espera até amanhã,
Porque não fazê-lo hoje?
Porque se o amanhã nunca chegar
Você certamente lamentará o dia
Em que não teve tempo
Para sorrir, abraçar ou beijar,
E estava ocupado demais para dar a alguém
O que seria seu último desejo.
Portanto, abrace quem você ama hoje
E lhe sussurre
O quanto o ama
E que será para sempre.
Guarde um tempo para dizer “Sinto muito”;
“Perdoe-me, por favor”; “Obrigado”; “Não se preocupe”.
E se o amanhã nunca chegar
Você nunca lamentará o que fez hoje.




Referência:


RITTNER, M . Aprendendo a Dizer Adeus.  Planeta, 20004 in SOARES, E. G. B; MAUTONI, M. A. A Conversando sobre o Luto. São Paulo: Ágora, 2013.

Colaborou: Patrícia dos Santos - Psicóloga

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Você sabia que a pessoa diagnosticada com câncer tem direito a isenção de IRPF ?

Abaixo inserimos algumas perguntas e respostas sobre a isenção do IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) para pessoas com câncer.

O que é o imposto de renda?

O imposto de renda é um tributo que atinge sobre determinados ganhos derivado do trabalho assalariado e de outras atividades econômicas, empresariais e financeiras. Salvo exceções previstas em lei, o imposto de renda incide, inclusive, sobre os rendimentos de aposentadoria, pensão e reforma.

Pacientes com câncer ou com outras doenças consideradas graves, têm direito à isenção do imposto de renda sobre os valores recebidos a título de aposentadoria, pensão ou reforma, inclusive as complementações recebidas de entidades privadas e pensões alimentícias, mesmo que a doença tenha sido adquirida após a concessão da aposentadoria, pensão ou reforma.



Como obter esse benefício?
O paciente deve procurar o órgão responsável pelo pagamento da sua aposentadoria, pensão ou reforma (INSS, União, Estado ou Município) e requerer a isenção do imposto de renda que incide sobre esses rendimentos. Devem ser apresentados os seguintes documentos:
  • Requerimento de isenção de Imposto de Renda.
  • Laudo pericial emitido por serviço médico oficial da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios (de preferência vinculado à própria fonte pagadora), com as seguintes informações:
  1. Diagnóstico expresso da doença.
  2. Estágio clínico atual da doença/paciente.
  3. Se possível, data inicial da manifestação da doença.
  4. CID - Classificação Internacional de Doenças.
  5. Data, nome e CRM do médico com a devida assinatura.
Observações:
  1. O serviço médico oficial fixará o prazo de validade do laudo pericial, no caso de moléstias passíveis de controle.
  2. Clique aqui para ter acesso ao modelo de laudo pericial disponibilizado pela Receita Federal
  • Exames que comprovem a existência da doença.



Após o reconhecimento da isenção, a fonte pagadora deixará de proceder aos descontos do imposto de renda.






Os salários recebidos em razão do exercício de atividade profissional (autônoma ou empregatícia) também são isentos do imposto de renda?



Não. A isenção alcança apenas os rendimentos recebidos por pessoas com doenças graves a título de aposentadoria, pensão ou reforma, exceto quando o paciente (trabalhador) está afastado de sua atividade profissional por auxílio-doença ou auxílio-acidente. Esses benefícios previdenciários também ficam isentos do imposto de renda. A isenção também não alcança rendimentos de outras naturezas, como aluguéis e rendimentos de aplicações financeiras, mesmo que o paciente seja aposentado.



O paciente que obtiver a isenção do imposto de renda é obrigado a apresentar a declaração anual?



Sim. A isenção do imposto de renda não isenta o contribuinte do dever de apresentar a declaração anual quando cabível.



É possível pedir a restituição de valores descontados indevidamente?



Sim. O paciente que atender os requisitos para isenção do imposto de renda pode requer junto à Receita Federal a restituição dos valores descontados nos últimos 5 anos, desde que comprove que durante esse período preenchia os requisitos para obtenção do benefício.
Saiba mais




Referência : http://www.oncoguia.org.br/conteudo/isencao-de-imposto-de-renda/21/4/

Colaborou Tássia Hostin - Assistente Social  - CRESS 4237
Coordenadora do Serviço Social Boa Vida.

A morte ! Por Pedro Bial

Abaixo inserimos um texto no qual Pedro Bial, jornalista, escritor e apresentador escreveu
sobre a morte. A todos, boa leitura!!!!!





A morte por si só, é uma piada pronta.

Morrer é ridículo.
Você combinou de jantar com a namorada, está em pleno tratamento dentário.
Tem planos para semana que vem, precisa autenticar um documento em cartório…
Colocar gasolina no carro e no meio da tarde…
MORRE.
Como assim?
E os e-mails que você ainda não abriu?
O livro que ficou pela metade?
O telefonema que você prometeu dar a tardinha para um cliente?
Não sei de onde tiraram esta idéia:
MORRER…
A troco de que?
Você passou mais de 10 anos da sua vida dentro de um colégio estudando fórmulas químicas que não serviram para nada, mas se manteve lá, fez as provas, foi em frente.
Praticou muita educação física, quase perdeu o fôlego. Mas, não desistiu.
Passou madrugadas sem dormir para estudar para o vestibular mesmo sem ter certeza do que gostaria de fazer da vida, cheio de dúvidas quanto á profissão escolhida…
Mas, era hora de decidir, então decidiu, e mais uma vez foi em frente…
De uma hora para outra, tudo isso termina…
Numa colisão na freeway…
Numa artéria entupida…
Num disparo feito por um delinqüente que gostou do seu tênis…
Qual é?
Morrer é um chiste.
Obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém, sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida.
Você deixou em casa suas camisas penduradas nos cabides, sua toalha úmida no varal, e penduradas também algumas contas…
Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas…
A apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira.
Logo você que dizia: Das minhas coisas, cuido EU.
Que pegadinha macabra: Você sai sem tomar café e talvez não almoce, caminha por uma rua e talvez não chegue na próxima esquina, começa a falar, e talvez não conclua o que pretende dizer.
Não faz exames médicos, fuma dois maços por dia, bebe de tudo, curte costelas gordas e mulheres magras e morre num sábado de manhã.
Se faz check-up regulares e não tem vícios, morre do mesmo jeito…
Isso é para ser levado a sério?
Tendo mais de 100 anos de idade, vá lá, o sono eterno pode ser bem vindo…
Já não há muito mesmo a fazer, o corpo não acompanha a mente, e a mente também já rateia, sem falar que há quase nada guardado nas gavetas.
OK, hora de descansar em paz.
Mas, antes, viver tudo, certo?
Morrer cedo é uma transgressão, desfaz a ordem natural das coisas.
Morrer é um exagero.
E, como se sabe, o exagero é a matéria-prima das piadas.
Só que esta não tem graça.
Por isso viva tudo que há para viver.
Não se apegue as coisas pequenas e inúteis da vida…
Perdoe…
Sempre !
Pedro Bial

Referência: http://pensador.uol.com.br/autor/pedro_bial/
Texto sugerido pela colaboradora Érika C. B. Boesing - Assistente de RH Boa Vida.