terça-feira, 30 de setembro de 2014

Se eu soubesse...

Abaixo um texto para a reflexão .....


Se eu soubesse que seria a última vez
Que eu a veria adormecida,
Eu a apertaria mais estreitamente em meus braços
E pediria a Deus que guardasse sua alma.
Se eu soubesse que seria a última vez
Que a visse sair pela porta,
Eu a abraçaria e beijaria
E lhe pediria para repetir.
Se eu soubesse que seria a última vez
Escutaria sua voz erguer-se em elogios,
Gravaria em vídeo cada ação e palavra
Para escutá-la de novo, dia após dia.
Se eu soubesse que seria a última vez,
Sobraria um minuto
Para parar e dizer “Eu te amo”,
Em vez de supor que você soubesse o quanto te amo...
Se eu soubesse que seria a última vez,
Estaria presente para compartilhar o seu dia.
Mas, como tenho certeza de que haverá  muitos mais,
O que importa que passe mais este...
Porque seguramente sempre haverá um amanhã
Que compense minha falta de visão,
Pois sempre nos darão uma segunda oportunidade
Para que tudo se arrange perfeitamente.
Sempre haverá outro dia
Para dizer “Eu te amo”
E seguramente haverá outra oportunidade
Para dizer “Posso te ajudar?”
Mas no caso de estar enganado,
E que hoje fosse o último dia,
Gostaria de dizer-lhe o quanto te amo
E Deus queira que nunca nos esqueçamos disso.
Ninguém tem a vida garantida
Nem os jovens, nem os velhos,
E talvez hoje seja nossa última oportunidade
De abraçar com força quem amamos.
De modo que, se você espera até amanhã,
Porque não fazê-lo hoje?
Porque se o amanhã nunca chegar
Você certamente lamentará o dia
Em que não teve tempo
Para sorrir, abraçar ou beijar,
E estava ocupado demais para dar a alguém
O que seria seu último desejo.
Portanto, abrace quem você ama hoje
E lhe sussurre
O quanto o ama
E que será para sempre.
Guarde um tempo para dizer “Sinto muito”;
“Perdoe-me, por favor”; “Obrigado”; “Não se preocupe”.
E se o amanhã nunca chegar
Você nunca lamentará o que fez hoje.




Referência:


RITTNER, M . Aprendendo a Dizer Adeus.  Planeta, 20004 in SOARES, E. G. B; MAUTONI, M. A. A Conversando sobre o Luto. São Paulo: Ágora, 2013.

Colaborou: Patrícia dos Santos - Psicóloga

Nenhum comentário:

Postar um comentário