terça-feira, 4 de agosto de 2015

Suicídio: Informando para Prevenir


Hoje a proposta de publicação no nosso blog traz o tema suicídio. Tema ainda pouco discutido e pensado em suas diferentes perspectivas. Os dados indicativos da OMS (Organização Mundial de Saúde) nos mostra um aumento de casos de suicídio nas últimas 5 décadas em todos os países, faixas etárias e contextos socioeconômicos; números que revelam um ranking entre as 10 principais causas de morte no mundo. O Brasil é o oitavo país em número absoluto de suicídios. Isso faz com que o suicídio seja olhado e pensado como uma questão de saúde pública.
Vivemos em uma sociedade onde as concepções de morte sofreram mudanças ao longo dos anos, busca-se afastamento, busca-se esconder, não falar, encobrir, pois a morte é vista como um tabu e como um “fracasso”. Busca-se a qualquer custo impedir que ela aconteça, portanto, quando nos deparamos com alguém que “voluntariamente” tira a própria vida, torna-se ainda mais restrita a discussão e o pensar sobre.
Dentre os comportamentos suicidas estão aqueles que:
  • Ameaçam tirar a própria vida;
  • Tentam tirar a sua própria vida e não efetivam e;
  • Tentam tirar a própria vida e tem um desfecho fatal.
Penso que seja importante contribuir para o levantamento de alguns mitos sobre o fenômeno suicídio, a começar pela frase de senso comum: “Quem fala não faz” ou “É porque a pessoa quer somente chamar a atenção” ou ainda “ Não devemos falar sobre suicídio pois, isso pode aumentar o risco”.
É sabido que um número expressivo de pessoas que cometeram o suicídio deram indícios de pensamentos recorrentes em tirar a própria vida; deram sinais sobre suas ideias de se matar frequentemente para profissionais da saúde. Falar sobre o suicídio, ao contrário do que muitas pessoas pensam não é um fator de risco, mas pode sim aliviar a angústia e a tensão que esses pensamentos trazem.
Segundo a Dra. Blanca Werlang, em entrevista concedida no Debate Online, é bastante complexo e difícil compreender  porque um determinado indivíduo decide cometer suicídio, sendo que outras pessoas que passam por situação similar não o fazem. Sabe-se que há fatores emocionais, psiquiátricos, religiosos e socioculturais que nos ajudam a compreender a situação de vida, o sofrimento que essa pessoa carrega, e por isso busca a morte. É possível dizer que por vezes a pessoa quer cessar o sofrimento e eliminar a dor provocada, no entanto, a forma com que busca a “solução”, tem como um método que é fatal - levando a morte.
Ainda citado pela Dra. Blanca, a prevenção do comportamento suicida deve começar na família; pois a morte é um assunto interdito no meio familiar, é um assunto escondido das crianças por acreditarem que os filhos pequenos não terão recursos psíquicos para encarar a situação. Também é importante um trabalho através de programas psicoeducativos nas escolas já nos anos iniciais, para trabalhar questões de valorização da vida. É fundamental treinamentos para equipes da área da educação, da saúde, dentre outros profissionais, além da comunidade, voluntários (igrejas, ONGs, ) para que estejam preparados para saber identificar e intervir no comportamento suicida, para isso é importante trabalhar em rede (as áreas devem conversar entre si).
A prevenção do suicídio é um grande desafio não apenas para a Psicologia, como também para toda a sociedade, pelo conteúdo social, econômico e político envolvido neste fenômeno.




Tatuagem Ponto e Vírgula", é uma campanha que nasceu nas redes sociais em 2013 e desde então vem ajudando milhares de pessoas ao redor do mundo a se manterem firmes e fortes.
Para quem não sabe, o sinal ponto e vírgula é usado quando o autor de um texto poderia terminar uma frase, mas escolhe continuá-la. O intuito da campanha é justamente esse: que as pessoas com tendências depressivas e suicidas tatuem esse sinal em alguma parte do corpo e, sempre que olharem para ele, escolham também seguir em frente, continuar, sem desistir no meio do caminho.




Para saber mais sobre o tema suicídio, acesse as referências citadas abaixo:
Referências:

Cartilha - Suicídio: informando para prevenir / Associação Brasileira de Psiquiatria, Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. – Brasília: CFM/ABP, 2014. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index9/?numero=14. Acesso em: 28/07/2015

Debate Online - Suicídio: uma questão de saúde pública e um desafio para a Psicologia clínica . Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=epjhgKhOu9g. Acesso em 28/07/2015.

O Suicídio e os Desafios para a Psicologia / Conselho Federal de Psicologia. - Brasília: CFP, 2013. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/12/Suicidio-FINAL-revisao61.pdf. Acesso em: 28/07/2015

Tatuagem de ponto e vírgula é a nova febre, mas ela tem um significado; descubra! Isabella Otto.
Publicado em 14/07/2015 Disponível em:http://capricho.abril.com.br/vida-real/tatuagem-ponto-virgula-nova-febre-ela-tem-significado-descubra-887302.shtml Acesso em: 29/07/2015 


Colaborou Patrícia dos Santos
Psicóloga do Plano Boa Vida
E-mail: patricia.santos@boavida.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário