segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Doação a Capela Mortuária da Igreja São Francisco de Assis da Fortaleza

Ontem pela manhã o Boa Vida doou uma geladeira a Capela Mortuária da Igreja São Francisco de Assis da Fortaleza.
A colaboradora Tássia e o colaborador Valdemar, foram recebidos pelo Sr.Argelindo A. Colsani e Sra.Alcira Colsani que são os responsáveis pela capela.


Abaixo, fotos da entrega:




Colaborou Tássia Hostin - Coordenadora do Serviço Social Boa Vida.

Empréstimo de material de recuperação

O objetivo do Boa Vida é a assistência funerária, entretanto em vida o cliente tem algumas vantagens.
Um dos benefícios é usufruir do empréstimo de recuperação de forma gratuita durante três meses.




Colaborou Tássia Hostin - Coordenadora do Serviço Social Boa Vida.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Partida e Chegada

Quando observamos da praia, um veleiro a afastar-se da costa, navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara.

O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor.

Não demora muito e só podemos contemplar um pequeno ponto branco na linha remota e indecisa, onde o mar e o céu se encontram.

Quem observa o veleiro sumir na linha do horizonte, certamente exclamará: Já se foi.

Terá sumido? Evaporado?

Não, certamente. Apenas o perdemos de vista.

O barco continua do mesmo tamanho e com a mesma capacidade que tinha, quando estava próximo de nós.

Continua tão capaz, quanto antes, de levar ao porto de destino as cargas recebidas.

O veleiro não evaporou, apenas não o podemos mais ver. Mas ele continua o mesmo.

E talvez, no exato instante em que alguém diz: Já se foi, haverá outras vozes, mais além, a afirmar: Lá vem o veleiro.

Assim é a morte.

Quando o veleiro parte, levando a preciosa carga de um amor que nos foi caro e o vemos sumir na linha que separa o visível do invisível dizemos: Já se foi.

Terá sumido? Evaporado?

Não, certamente. Apenas o perdemos de vista.

O ser que amamos continua o mesmo. Sua capacidade mental não se perdeu. Suas conquistas seguem intactas, da mesma forma que quando estava ao nosso lado.

Conserva o mesmo afeto que nutria por nós. Nada se perde, a não ser o corpo físico de que não mais necessita no outro lado.

E é assim que, no mesmo instante em que dizemos: Já se foi, no mais Além, outro alguém dirá feliz: Já está chegando.

Chegou ao destino levando consigo as aquisições feitas durante a viagem terrena.

A vida jamais se interrompe nem oferece mudanças espetaculares, pois a natureza não dá saltos.

Cada um leva sua carga de vícios e virtudes, de afetos e desafetos, até que se resolva por desfazer-se do que julgar desnecessário.

A vida é feita de partidas e chegadas. De idas e vindas.

Assim, o que para uns parece ser a partida, para outros é a chegada.

Um dia partimos do mundo espiritual na direção do mundo físico; noutro, partimos daqui para o espiritual, num constante ir e vir, como viajores da Imortalidade que somos todos nós.





Referência:

Redação do Momento Espírita, com pensamentos
finais de Victor Marie Hugo, do livro A
reencarnação através dos séculos, de Nair
Lacerda, ed. Pensamento. Disponível em:

 Acesso em: 13/11/2015.

Colaborou Tássia Hostin –
Coordenadora do Serviço Social Boa Vida


E-mail : tassia.hostin@boavida.com.br



quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Sobre a perda de uma grande amizade: "Atentem a quem está perto nesse momento, compartilhando do seu tempo"

Abaixo inserimos um depoimento muito emocionante, escrito por uma
 jovem que acabou de perder um grande amigo ! 
A todos uma ótima leitura !!!! 


Escrevo para agradecer por todos os carinhos, atenção e energias que foram transmitidos nestes dias. Escrevo para vocês, para pedir que não fiquem lamentando a morte deste jovem como prematura, especulando as causas e imaginando cenas tristes na cabeça. Escrevo para vocês, para que se atentem a quem está perto nesse momento, compartilhando do seu tempo. Seja na forma que for.

Escrevo para pedir que reflitam sobre como estão cuidando de suas vidas, de seus corpos e saúde mental. Onde estão depositando suas energias. Como estão ministrando, direcionando e dosando o amor, enquanto que ele é infinito.

Escrevo para sugerir que não deixem para depois o que o coração mandar. Que não carreguem rancor. E não se apeguem, principalmente a tolices. Para que sejam sinceros com seus sentimentos. Para que sejam sinceros com as pessoas. E para que não deem explicações quando não desejarem. Para que encontrem o lado positivo de qualquer acontecimento.

Escrevo para dizer que não se culpem pelo passado, com os olhos do presente. E para que entendam que o futuro é coisa do "quem sabe?!". Que se divirtam com os erros. E que sorriam com facilidade.

Escrevo para dizer que vocês podem e devem assumir as rédeas de suas vidas. Direcionando para o caminho que desejarem. Mas, que jamais terão o controle que creem ter.

Escrevo para pedir que sejam responsáveis. Para que não se esquivem ou depositem as causas nos outros. Para que não subestimem a capacidade e a força destes que os cercam. E que permitam q carreguem seus próprios fardos. Para que não se julguem melhores ou piores que ninguém. Em qualquer aspecto. Para que não se façam de vítimas, para ganhar atenção e nutrir motivos para sofrer.

Escrevo para que se atentem que as mudanças são contínuas, que nada é igual, que nenhuma historia se repete. Escrevo para dizer que se arrisquem. Que deem a cara a tapa, sem esperar garantias. Que busquem paz e tranquilidade sempre, inclusive nas palavras que propagam e nos pensamentos que alimentam. Que sejam mais tolerantes com suas famílias. Que aceitem que essa convivência lhes foi imposta por razões que desconhecemos e que devemos curar feridas para estarmos plenamente sãos.

Escrevo para sugerir que admirem o simples. E percebam que toda forma de vida por si, já é o tal milagre. Para que analisem que absolutamente nada vai embora daqui. É possível transformar o bruto em líquido, a matéria em pó, o ódio em tapa, o vento em luz, mas tudo continuará por aqui, transitado em algum espaço.

Escrevo para dizer, que em vez de temer a morte, precisamos nos livrar do medo de viver.




Referência:

Diário Catarinense - Disponível em :


Acesso em 12/11/2015.

Colaborou Tássia Hostin –
Coordenadora do Serviço Social Boa Vida

E-mail : tassia.hostin@boavida.com.br

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Dia de Finados (02 de novembro)

      O dia de Finados (02 de novembro) foi criado para lembrar e homenagear as pessoas que faleceram.
A palavra finado é um adjetivo que qualifica algo ou alguém que finou, que chegou ao fim, que está morto. Por esse motivo, o Dia de Finados também é conhecido como Dia dos Mortos.
Cada país segue uma tradição para celebrar este dia. Por exemplo no México as celebrações duram 3 dias e as ruas são enfeitadas e ocorrem desfiles nelas.
Para os católicos esta data é bem importante e desde o século XI  celebram este dia, pois afirmam que no dia de Finados os vivos devem interceder pelas almas que estão no purgatório, esperando a purificação para entrarem no Céu.
         A maioria deles, na semana que antecede a data, vão nos túmulos, realizam a limpeza, trocam as flores e objetos pessoais do falecido e marcam missa em nome da pessoa que faleceu.
Já para os protestantes o Dia de Finados serve  para lembrar das coisas boas que os antepassados deixaram, como o legado de um caráter idôneo, por exemplo. Mas entendem que as pessoas precisam ser cuidadas enquanto estão vivas. Após a morte, nada mais resta senão o juízo.


        Independente da existência da data e formas ou não de homenagear o ente falecido, entendemos que o principal é preservar o sentimento de amor existente dentro de cada coração que perdera alguém. E o tempo vai passar, outros momentos vão chegar mas o que vale são as lembranças boas que ficaram.
  




Referência:

Finados Significados.  Disponível em:
 Acesso em: 22/10/2015.

Universitário.  Disponível em:
Acesso em: 22/10/2015.


Colaborou Tássia Hostin –
Coordenadora do Serviço Social Boa Vida

E-mail : tassia.hostin@boavida.com.br